segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

SE NÃO VOS ARREPENDERDES,
TODOS DE IGUAL MODO PERECEREIS.

(Lc 13:5)



Vivemos dias difíceis, devido serem de uma geração corrupta, perversa, inescrupulosa e sem amor para com o seu semelhante. Esperamos dias melhores? Podemos sonhar por uma vida tranquila e serena?

Quando Jesus estava chegando na cidade de Jerusalém e vendo o estado em que o povo se comportava em seus dias, vivendo uma fé baseada em dogmas e alicerçados em costumes e não em santidade, com lágrimas nos olhos e o coração compungido, Ele não hesitou em informar à Jerusalém de sua eminente destruição que estava por vir.

Certa vez fui convidado a assumir a paternidade espiritual de uma congregação que vinha sofrendo perdas, decepções e esterilidade espiritual, devido a falta de um posicionamento sério e inteiramente voltado para a realização da Vontade do Divino e Eterno Deus. Com o passar dos meses o obreiro dirigente caiu em pecado sexual e foi excluído do rol de membros. Baseado no fato ocorrido, o mesmo não poderia receber a autoridade para exercer o ministério diante da congregação enquanto não decorresse um período de 5 anos. Como se tratava de uma pessoa pertencente a um grupo de amigos e irmãs que ocupavam a liderança, tal grupo voltou-se contra a lei disciplinar e expulsaram-me do meio deles alegando que o tal infrator não merece ficar 5 anos fora do ministério. Por eles, fui taxado como um pastor de religiosidade e desumano.

Baseado em Lucas 13:5, precisamos dizer ao pecador que, se ele não se arrepender de sua iniquidade, será eternamente excluído da esperança de salvação e será achado no lugar onde o seu bicho não morre e o fogo nunca se apaga (Lc 9:46).

Creio que Cristo não está presente em uma igreja infiel, onde o pecador é protegido pelas amizades e não tratado pela lei da santificação.

Segundo Charles Haddon Spurgeon: “É necessário declarar toda a verdade, tanto o seu lado sombrio quanto o da alegria da misericórdia – e Cristo não está presente onde isso não está sendo feito”.

O amor de Cristo deve nos compelir a sermos totalmente honestos, santos, retos, íntegros e tementes a Deus.

Em Luc. 19:44-48, Jerusalém não conheceu o tempo da sua visitação. Jerusalém não reconheceu esse tempo. A palavra grega “kairos” traduzida como tempo, implica um período não necessariamente oportuno, porém de grande relevância, no qual o propósito de Deus precisa ser cumprido.

O Senhor Jesus visita o seu povo com a finalidade de examinar a condição geral do coração e do caráter dos seus filhos, tanto o que é bom como o que é ruim; conceder-lhes misericórdia, e, finalmente, convoca-los e prepara-los para se tornar um exercito. O Altíssimo visita o seu povo para ver se ele está disposto e capacitado a lutar para ser liberto da opressão da lei do pecado.

Uma igreja avivada, geralmente, resulta dessa visitação, mas Ele, muitas vezes não é reconhecido, como no exemplo de Jerusalém.

Precisamos nos tornar IGREJA VIVA, aquela que SERVE AO DEUS VIVO.

Que o Senhor nos abençoe!

Paz a todos.

sábado, 30 de dezembro de 2017

 UMA SERPENTE NO PARAÍSO

“Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas, o trigo, ajuntai-o no meu celeiro” (Mt 13:30).

TEM MUITA GENTE COM A VIDA TOTALMENTE AMARRADA E NÃO SABEM POR QUÊ.

Muitas vezes deixamos o joio ser plantado:
ü  Em nossas vidas: Através de certas amizades;
üE em nossas igrejas: Através da misericórdia e compaixão. Suportamos com paciência o pecado no nosso meio e não agimos contra, por receio de perder o membro. Enquanto isso, o joio vai crescendo e disseminando o mal.

Isso acontece quando nos descuidamos das coisas de Deus:
Os primeiros sintomas se desenvolvem quando, moralmente nos enfraquecemos e negligenciamos a sã doutrina bíblica.
ü  Na verdade dormimos na cama do “Tudo pode”. A presente geração, por não se libertar das cadeias da imoralidade, usam a misericórdia divina como se fosse uma fórmula mágica: “Depois do pecado, é só pedir perdão”. Por essa razão, muitos não deixam o pecado.
Jesus, na parábola narrada em Mt 13.24-30, diz que um homem semeou boa semente no seu campo. Mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele e semeou o joio no meio do trigo e retirou-se.
ü  O trigo é a semente de Deus;
ü  O joio é a semente do diabo;
ü  O campo é o coração do homem;
ü  O bem e o mal residindo no mesmo lugar. Que infelicidade!

Mas quais são as diferenças entre o joio e o trigo e como identifica-las? 

Aquele que cultiva a boa semente (trigo) CRÊ em Deus e ANDA em sua presença, AMA ao Senhor Jesus de todo coração, e está sempre olhando para o sacrifício de Jesus na cruz.

ü  O trigo reconhece que Jesus foi o seu substituto na morte de cruz, morrendo em seu lugar.
ü  O joio é totalmente contrário a estas verdades e está longe de Deus.

O joio foi colocado no campo para destruir o trigo:

1.    O trigo possui a essência = o joio possui aparência.
ü  O joio é como aquele que se veste como crente,
ü  Fala como crente,
ü  Ora como crente,
ü  Fala em línguas como os crentes, mas dá mau testemunhos zombando de Deus.
ü  Não respeita e nem dá honra aos seus Lideres (vs 26-29).
2.    O trigo produz muitos frutos e alimenta as pessoas.
ü  Produz frutos de longanimidade,
ü  Benignidade,
ü  Bondade,
ü  Fidelidade,
ü  Amor,
ü  Alegria,
ü  Paz,
ü  Mansidão
ü  e domínio próprio.
3.    O joio não produz nada.
ü  É inútil.
ü  Se ingerido é como veneno, causa danos ao homem, porque não é espiritual.
ü  O joio produz ódio, depressão, perturbação, infidelidade, rixa e desgraça na vida do ser humano.
4.    O trigo é maleável
ü  O trigo se curva com facilidade;
ü  O trigo, quanto mais maduro, é mais fácil de ser colhido;
üO trigo é como aquele servo humilde, sincero, honesto e que verdadeiramente tem compromisso com Deus. 
5.    O joio é muito rígido
ü  O joio não se curva nunca. Não libera perdão e não perdoa ninguém;
ü  O joio fica mais endurecido, mais difícil de ser arrancado;
O joio é como aquele crente soberbo, arrogante, que tudo sabe, se acha melhor que todo mundo na igreja, conhece mais da Bíblia, e, verdadeiramente, não tem compromisso com Deus.

FINALIZANDO:

O TRIGO será recolhido ao celeiro
O JOIO será lançado no fogo

UMA PERGUNTA QUE NÃO DEVE SE CALAR: “Onde será o seu futuro, CELEIRO ou FOGO?”

Faça a escolha agora e viva por essa escolha. Ainda há tempo.
                                    
Felicidades!

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

DIFERENÇAS ENTRE OS QUE SE DIZEM CRISTÃOS


III João 1:1-14

A terceira carta que João escreveu para o irmão Gaio descreve os típicos comportamentos encontrados em praticamente todas as verdadeiras igrejas cristãs.

O PRIMEIRO COMPORTAMENTO QUE JOÃO DESCREVE É O DE GAIO

Gaio era um servo dedicado (V.2). O servo dedicado recebe honra, louvor e enaltecimento. Gaio não imaginava que o seu testemunho de vida estaria registrado nas Sagradas Escrituras para exemplo a ser seguido.

Gaio era um servo respeitado (vs.3,4). A razão disso é que, Gaio foi um crente que se preocupou em viver a Palavra de Deus. Foi vigilante em todo o tempo e não se deixou levar pelo modismo da sua geração. Gaio manteve uma conduta exemplar, coisa que quase não se vê nos dias de hoje.

O SEGUNDO COMPORTAMENTO QUE JOÃO DESCREVE É O DE DEMÉTRIO

João relata que Demétrio foi um servo confiável (vs. 12-14). O testemunho de Demétrio excedia a muitos naquela igreja.

Não existe melhor recompensa que esta: “Ser confiável”. Um comportamento como o de Demétrio revela a presença da marca do Espírito Santo, o SELO da VERDADE. 

Todos que andam verdadeiramente diante da FACE DO SENHOR, trazem o SELO DA VERDADE.

São servos de uma só palavra, cumpridores dos seus compromissos, honestos e transparentes para com o próximo, e unidos no mesmo propósito para com o CORPO DE CRISTO.

O exemplo de Demétrio é algo que deve ser seguido por todos os cristãos.

O TERCEIRO COMPORTAMENTO QUE JOÃO DESCREVE É O DE DIÓTREFES

João relata que esse tipo de comportamento deve ser banido, excluído do meio do povo de Deus.

Diótrefes foi um crente autoritário e dominante, carnal e diabólico. João adverte pra Gaio ter cuidado com esse cidadão. Diótrefes é o tipo de “cristão perigoso”.

Diótrefes é o tipo de pessoa que busca a primazia. Seu lema é ser o primeiro.

Diótrefes é causador de confusão;
Diótrefes não reconhece a autoridade de Deus no Ministério Pastoral;
Diótrefes não se curva diante da necessidade de arrependimento isto porque nele não há o espírito da humildade;
Diótrefes é bajulador, rancoroso e vingativo. Por causa de Diótrefes, muitos saem da igreja e deixam de andar com Deus.

Diótrefes é um péssimo exemplo a ser seguido.

Quais exemplos você tem seguido?

GAIO, servo dedicado e respeitado;
DEMÉTRIO, servo que dá bom testemunho diante de Deus e dos homens;
DIÓTREFES, um crente carnal e diabólico.


Pense nisso!
um grande abraço, e que o SENHOR te abençoe!

(Pr. Paulo Barreiros)


terça-feira, 28 de novembro de 2017

CRISTÃOS CONFIÁVEIS


Ontem eu estava em um dia daqueles que a mente não tem com o que se preocupar, sabe como é?

Então, comecei a pensar sobre os acontecimentos mundiais, ódio, corrupção, morticínio, o comércio de escravos negros acontecendo na Líbia, que é continuação da barbárie dos botes com refugiados se afogando, dos campos de concentração e das guerras imperialistas. A barbárie desses acontecimentos, certamente cabe responsabilidade ao socialismo e ao imperialismo.

A questão maior é que a ONU e os Direitos Humanos nada fazem a respeito. A impressão é que há certa parcialidade de interesses nas tragédias mundiais.

De repente meus pensamentos visualizaram o tão esperado momento da igreja na terra, o arrebatamento. Fiquei a imaginar quem eu conheço que não subiria: amigos, irmãos, colegas de trabalho, vizinhos e até mesmo pessoas do meu convívio cristão. Certa dor no peito me envolveu por um instante, quando então me lembrei daquela multidão que andava com Jesus, maravilhando-se dos milagres que Ele fazia, principalmente da multiplicação dos poucos pães, cinco na verdade, que alimentou cerca de cinco mil homens. Porém, devido a um simples sermão corretivo de Jesus, eles deixaram de acompanha-lo.

Precisamos nos atentar para os novos grupos e movimentos religiosos que vem surgindo nos últimos dias dizendo-se cristãos.

É preciso atentar paro o tipo de cristãos que somos. Precisamos verificar as nossas diferenças, conferir as nossas intenções e analisar os nossos comportamentos.

A Palavra de Deus nos ensina a prosseguirmos para o alvo, e o alvo é CRISTO.

João 6:41-69 conta uma história assim:

UMA MULTIDÃO VOLTOU ATRÁS por causa dos seus próprios ideais: 

1. Uma multidão rejeitou o discurso de Jesus, devido possuir um coração endurecido para com as coisas espirituais, v. 60 = “....Duro é este discurso,  quem o pode ouvir?”

– Eles queriam ouvir algo que os agradassem.

2. Toda aquela multidão se tornou murmuradora contra o ensino do Mestre. v. 61 = Simplesmente não aceitaram as normas de salvação que Jesus apresentou. Como é difícil para alguns aceitarem as determinações de Deus!

3. Toda aquela multidão abandonou a Jesus e já não andava com Ele, v. 66 = Para aquelas pessoas era mais fácil seguir a vida sem Deus, do que com um Deus que tem normas que proíbem certos tipos de comportamentos.

4. Poucos foram os que permaneceram com Ele: Apenas 12, para ser correto.

Eles reconheceram que não havia outro lugar mais seguro do que estar com Jesus. v. 68
Eles reconheceram que só Jesus tem as palavras de vida eterna. v. 68
Eles reconheceram que Jesus não apenas cura os enfermos, mas que também Ele é o CRISTO, o SALVADOR. V. 69 

Quanto à aqueles, Jesus lhes fez apenas uma pergunta: O MEU ENSINO ESCANDALIZA VOCÊS?  (v. 61)

Mas, andar sobre as águas do mar, AGRADA VOCÊS?
Multiplicar poucos pães para alimentar uma multidão faminta, AGRADA VOCÊS?
Curar os enfermos e expulsar os demônios de seus parentes, AGRADA VOCÊS?
Ressuscitar os mortos e limpar os leprosos, AGRADA VOCÊS?

PORÉM, QUANDO EU PREGO A VERDADE SOBRE O REINO, ISSO ABORRECE VOCÊS?

Assim vem seguindo muitos grupos religiosos nestes últimos dias que mais parecem seguidores daquela multidão:

DEUS, PARA OS TAIS, É COMO PAPEL HIGIÊNICO:
“SERVE APENAS PARA AS HORAS DAS NECESSIDADES PESSOAIS”.

 Pensem nisso!
Um forte abraço!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

UM LEPROSO NA MULTIDÃO


Mateus 8:1-3
E, descendo ele do monte, seguiu-o uma grande multidão. E, eis que veio um leproso, e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo. E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra.

Diz a bíblia que Jesus descia do monte e era seguido por uma multidão.
Na multidão há vários tipos de pessoas e diferentes classes sociais, principalmente quando seguem a Jesus. 

Vejamos alguns grupos que se destacam na multidão:

A)- SEGUIDORES: São pessoas influentes ou não, que buscam interesses pessoais e seguem como espectadores emocionalmente frenéticos. Nesse grupo não há o desenvolvimento de raízes que alicerçam o crescimento harmonioso e construtivo capaz de suportar as provas e tribulações que surgem durante a vida. 

Sem raízes profundas a planta não tem vida longa. Jesus disse que vindo o sol, por não haver raízes profundas, a planta morre: “Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz”. (Mateus 13:6)

B)- SIMPATIZANTES: Pessoas, cujo sentimento é atraído pelos sinais  e milagres que Jesus faz. Esse grupo é movido pelo emocionalismo. Quando chamado à entrega pessoal e compromisso com o servir ao Reino de Deus, encontram obstáculos. Seu objetivo não é servir, mas ser servido.

Tais pessoas não conseguirão entrar pela Porta da Salvação: “Porfiai por entrar pela porta estreita; porque eu vos digo que muitos procurarão entrar, e não poderão”. (Lucas 13:24)

C)- DISCÍPULOS: São aqueles que recebem as instruções e as seguem doutrinariamente sem se darem ao luxo de descanso e vida prazerosa.

 Esse é o grupo de pessoas que se entrega à vontade do Mestre. Para esse grupo, o que importa é buscar o conhecimento e a dedicação voluntária, sabendo que a recompensa não se dará nesta vida enquanto não terminarem a carreira de fé.  Sinais, prodígios e milagres não impressionam as pessoas desse grupo, pois não são movidos pelo que veem, mas pelo que acreditam.

D)- LEPROSO: Havia também um leproso na multidão. Seu objetivo não era ver Jesus de perto, nem tocar em suas vestes, nem mesmo ouvir a sua voz, mas levar a Ele a sua dor.

Assim como o leproso, muitos são pressionados a irem a Jesus por causa da dor, da necessidade de uma vida transformada pelo poder que emana de Cristo, do vazio na alma e da carência do amor divino.

A boa notícia é que Jesus conhecia a dor e a aflição do leproso.  Assim também, Ele conhece o que mais necessitamos. E para Ele não há barreiras criadas pela multidão que o possam impedir de atender-nos. O amor de Cristo o constrange a olhar para nós!

Quero mencionar aqui algo muito importante: Como a multidão, o leproso também estava lá, mesmo com a alma dilacerada pela aflição da enfermidade que o acometia ao isolamento, algo diferente aconteceu com ele.  Ele não somente se aproximou de Jesus, como todos estavam fazendo, mas ele  ADOROU o Senhor Jesus.

Através da adoração o leproso fez mais que toda a multidão! Ele não apenas se aproximou de Jesus, mas ele adentrou na presença do Senhor dos Senhores, o Rei dos reis e Grande Deus. Nesse instante a doença não suportou ficar de pé, ela caiu por terra, se retirou dele e se lançou no abismo do esquecimento. Ele ficou limpo da lepra!

Portanto, seja você quem for, se estás entre a multidão e se não és discípulo, então não seja um mero espectador ou um simpatizante de milagres. Mas seja como aquele leproso que, mesmo coberto de lepra e a alma acamada em dor, adentrou na presença do Senhor através da adoração. Assim, o grande milagre acontecerá na sua vida, a cura e a salvação.

Pense nisso!
Um grande abraço, e que o Senhor Jesus te abençoe.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

O SEGREDO DA VITÓRIA:

OBEDIÊNCIA E SACRIFÍCIO




Assim partiu Abrão como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã. Gênesis 12:4
De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão. Gálatas 3:9

1)- Mesmo não conhecendo a voz de Deus, Abraão obedeceu.

Quando chamado por Deus, Abraão obedeceu imediatamente. Manifestou sua fé com a ação de obediência à Palavra do Altíssimo. Por conta disso, tornou-se merecedor e justo aos olhos de Deus.

Ele teve que abandonar seus patrimônios, a parentela e a casa dos pais, o que era no mínimo algo extremamente doloroso. Isso nos mostra que para obedecer à voz Divina é preciso fé, coragem e determinação. O exercício da fé exige sacrifício.
·         
    Deixar a própria terra significava cortar laços e tradições, algo muito raro naqueles dias. Somente pessoas fracassadas ou fugitivas deixavam tudo para trás e se aventuravam em outros lugares.
·     
      Além da direção a seguir, se para o norte, sul, leste ou oeste, Abraão se aprontou para a partida sem volta.

     2)- Segredo do sucesso de Abraão: a obediência.

    Definição de Obediência: É abrir mão da sua própria vontade em nome da Vontade de Deus.
    
    A obediência ao Senhor não é algo imposto: Abraão obedeceu de imediato a ordem e chamado de Deus. Primeiramente indo para uma terra desconhecida e depois   seguindo para Moriá para sacrificar o seu único filho  Gn. 22:1-12.

      NOTA: Você tem obedecido a Deus ao ponto de abrir mão de sua própria vontade? 

     3)- Deus fez uma proposta ao patriarca:

    Abraão teria que deixar a sua terra, a sua parentela, a casa de seus pais e seguir para uma terra distante, a qual não conhecia. Estas condições implicavam basicamente numa coisa: obediência.

     4)- A obediência não impõe só condições, traz também privilégios:

   Aceitando a proposta de Deus e obedecendo à Palavra de ordem, os privilégios viriam depois. De forma que a visão de Abraão não se deteve apenas na proposta, mas foi capaz de transpor-se para centenas de anos a frente:

     "Abraão seria pai de uma grande nação, abençoado, engrandecido e uma bênção para todas as famílias da terra".

     E mais: "Aqueles que o abençoassem seriam abençoados; os que o amaldiçoassem, seriam amaldiçoados".

      5)- Toda vitória requer sacrifício:

    Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis (ofereçam) os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. (Romanos 12:1). Esta é a verdadeira adoração [sacrifício] que uma vida de vitória oferece a Deus.

     Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente [sacrifício]. Assim, vocês conhecerão a vontade de Deus [através da obediência]. Isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a ele. (Romanos 12:1,2).

     FINALIZANDO:

O SEGREDO DA VITÓRIA: OBEDIÊNCIA E SACRIFÍCIO.
Quem ainda não viveu esses dois princípios, ainda não sabe o que é ter vitória.

Pense nisto, e o Senhor Jesus Cristo te abençoe!